Vale da Gafaria (Lagos): os vestígios esqueléticos e arqueológicos das primeiras vítimas do tráfico negreiro português: memória fotográfica dos dez anos da escavação

Carregando Eventos

Vale da Gafaria (Lagos): os vestígios esqueléticos e arqueológicos das primeiras vítimas do tráfico negreiro português: memória fotográfica dos dez anos da escavação

Vale da Gafaria (Lagos): os vestígios esqueléticos e arqueológicos das primeiras vítimas do tráfico negreiro português: memória fotográfica dos dez anos da escavação
O CIAS – Centro de investigação em Antropologia e Saúde da Universidade de Coimbra, tem o prazer de convidar V. Exas. para visitar a exposição intitulada “Vale da Gafaria (Lagos): os vestígios esqueléticos e arqueológicos das primeiras vítimas do tráfico negreiro português: memória fotográfica dos dez anos da escavação”.
A inauguração decorrerá no próximo dia 15 de novembro às 16.00 e a exposição pode ser vista no Edifício de S. Bento até dia 31 de Dezembro de 2019.
Sinopse:

Em 2009 a construção dum parque de estacionamento fora das muralhas de Lagos permitiu uma descoberta ímpar e inédita: uma vasta lixeira, acumulada entre os sécs. XV e XVII, de onde foram recuperados os esqueletos de 158 indivíduos.

Os inumados eram homens e mulheres, adultos, adolescentes e crianças. Alguns tinham sido depositados com pouco cuidado, atirados para dentro da lixeira, e alguns amarrados. Estes modos de deposição funerárias distanciavam-se claramente dos dos contextos coevos, em que os inumados eram enterrados dentro ou em redor das igrejas, obedecendo às regras canónicas vigentes.

As características morfológicas e métricas dos esqueletos, as modificações dentárias intencionais e o espólio que os acompanhava, bem como o facto de se encontrarem enterrados numa lixeira, levou a que se equacionasse desde cedo que a origem geográfica e cultural dos inumados era distinta da dos demais habitantes de Lagos.

Foi colocada a hipótese, ainda nos primeiros dias de escavação, de que se estava em presença de enterramentos de alguns dos primeiros escravos africanos aportados a Portugal cuja presença estava já relatada nas crónicas de Gomes Eanes de Zurara.

Nestes dez anos tem-se vindo a desenvolver investigação antropológica com o apoio do CIAS.

Em 2009 a construção dum parque de estacionamento fora das muralhas de Lagos permitiu uma descoberta ímpar e inédita: uma vasta lixeira, acumulada entre os sécs. XV e XVII, de onde foram recuperados os esqueletos de 158 indivíduos.

Os inumados eram homens e mulheres, adultos, adolescentes e crianças. Alguns tinham sido depositados com pouco cuidado, atirados para dentro da lixeira, e alguns amarrados. Estes modos de deposição funerárias distanciavam-se claramente dos dos contextos coevos, em que os inumados eram enterrados dentro ou em redor das igrejas, obedecendo às regras canónicas vigentes.

As características morfológicas e métricas dos esqueletos, as modificações dentárias intencionais e o espólio que os acompanhava, bem como o facto de se encontrarem enterrados numa lixeira, levou a que se equacionasse desde cedo que a origem geográfica e cultural dos inumados era distinta da dos demais habitantes de Lagos.

Foi colocada a hipótese, ainda nos primeiros dias de escavação, de que se estava em presença de enterramentos de alguns dos primeiros escravos africanos aportados a Portugal cuja presença estava já relatada nas crónicas de Gomes Eanes de Zurara.

Nestes dez anos tem-se vindo a desenvolver investigação antropológica com o apoio do CIAS.

Dado o valor científico e histórico dos achados, os trabalhos de investigação desenvolvidos e o poder ilustrativo dos registos fotográficos da escavação para a documentação da diáspora africana, apresenta-se nesta exposição este conjunto de imagens comemorativas dos 10 anos da descoberta do sítio arqueológico enquadrados no aniversário dos 25 anos dos CIAS.
———————–
Para mais informações, contactar http://cias.uc.pt/
novembro 15 2019

Detalhes

Início: novembro 15 às 16:00
Fim: dezembro 31 às 17:00
Custo: Livre
Evento Categorias: , , , , , ,

Local

Colégio de S. Bento, Departamento de Ciências da Vida

Organizador

Centro de Investigação em Antropologia e Saúde
Telefone: 239240700
Website: Visitar Website do Organizador