Cem anos que abalaram o Mundo: hipóteses emancipatórias

A carregar Eventos

O centenário da Revolução Russa serve de ocasião para o CES promover uma reflexão alargada sobre os caminhos emancipatórios que atravessaram o mundo no século XX e sobre as suas heranças, legados e limites. Enquanto lugar-símbolo das esperanças e dos impasses de um novo modelo socialista, 1917 constitui uma oportunidade analítica para pensar experiências e projetos que, na sua esteira e fora dela, foram construindo trajetórias alternativas ao capitalismo, ao colonialismo e ao patriarcado. Num tempo em que as hipóteses emancipatórias parecem pulverizadas, este encontro internacional procurará refletir criticamente sobre as mudanças ocorridas ao longo do século XX e sobre o lugar e a natureza dos imaginários de transformação social e libertação nos dias de hoje.

 

Mesas-Redondas

É tão difícil imaginar o fim do capitalismo como imaginar que o capitalismo não tenha fim?
Esta sessão transforma em pergunta uma constatação feita por Boaventura de Sousa Santos. A experiência soviética inscreveu as alternativas sistémicas ao capitalismo no campo das possibilidades. O colapso da União Soviética pareceu validar a ideia de que o capitalismo seria afinal o último estádio da evolução histórica. Praticamente sem freios e contrapesos, o desenvolvimento do capitalismo alimentou desde aí crises sem fim. A catástrofe ambiental eminente é naturalmente uma das mais importantes, mas não é a única. Torna-se de novo urgente pensar criticamente sobre o capitalismo e sobre outros ismos, esconjurando o espectro da barbárie.

Adeus Lenine?
A história dos ideais socialistas é uma história feita de vitórias e derrotas, de esperanças e tragédias, de conquistas e de bloqueios. A evocação do nome do líder soviético – e do conhecido filme de Wolfgang Becker – permite-nos aqui equacionar as heranças políticas e ideológicas que a revolução russa pode suscitar, bem como reimaginar a possibilidade das hipóteses socialistas nos tempos de hoje.

Colonialismo, não passará?
As lutas anticoloniais têm outro nome que não pode ser esquecido: as lutas de libertação nacional. Este jogo de espelhos reflete os lugares de enunciação a partir dos quais se olham e se pensam essas dinâmicas de emancipação que foram decisivas para a história do século XX e para a reimaginação do mundo no nosso século. Nessas lutas de libertação nacional e nas independências que se lhe seguiram estão inscritas muitas das energias criadas e alimentadas pelos ideais do socialismo e da revolução russa. Contudo, hoje em dia, a pergunta sobre se o ciclo colonial já passou adquire novos sentidos face aos desenlaces pós-democráticos e neoliberais que invadem e povoam os horizontes políticos de uma boa parte da humanidade.

Pode a subalterna falar?
Ainda que os ideais emancipatórios propagados pela revolução russa e pelos seus legados tivessem dado atenção à subalternidade das mulheres nas várias esferas da vida, não conseguiram tornar irreversível um imaginário feminista capaz de romper com os múltiplos sexismos que continuam a permear as sociabilidades. Partindo da assunção de que as mulheres não são uma minoria entre outras que têm sido oprimidas e discriminadas, colocar a questão no feminino, tal como é feito, obriga-nos a uma atenção epistemológica sobre todos os sistemas de opressão. Neste sentido, esta é a abordagem feminista que propomos e que, qualquer revolução, de ontem ou de hoje, deveria assumir como sua.

[Lotação da sala até ao limite dos lugares disponíveis || Línguas do evento: português, inglês e espanhol]


Comissão organizadora

João Rodrigues, Miguel Cardina, Teresa Almeida Cravo e Teresa Cunha

Comissão científica
António Sousa Ribeiro, Boaventura de Sousa Santos, Carlos Fortuna, Catarina Martins, Diana Andringa, Elísio Estanque, Isabel Caldeira, José António Bandeirinha, José Manuel Mendes, José Reis, Licínia Simão, Manuel Carvalho da Silva, Maria Paula Meneses, Nuno Teles, Pedro Hespanha, Rui Bebiano, Sara Araújo, Silvia Rodríguez Maeso e Teresa Maneca Lima

 

PROGRAMA

 

Sexta, 24 novembro

8h45-9h00: Recepção

9h00-9h30: Abertura solene:
Teresa Pedroso de Lima, Diretora da FEUC
Miguel Cardina, Comissão Organizadora e Presidente do Conselho Científico do CES

9h30-10h30: Conferência inaugural por Boaventura Sousa Santos

10h30-11h00: Pausa para café

11h00-13h00: Transformação social e sujeitos políticos
Álvaro Garcia Linera e Gladys Tzul Tzul
Moderação: João Rodrigues

13h-14h30: Pausa para almoço

14h30-16h30: Espectros da Revolução
Tariq Ali e Keeanga-Yamahtta Taylor
Moderação: Teresa Almeida Cravo

16h30-17h00: Pausa para café

17h00-19h00: Adeus Lenine?
João Arsénio Nunes, José António Bandeirinha, Rui Bebiano, José Neves
Moderação: Olga Solovova

 


Sábado, 25 novembro

9h00-11h00: Pode a/o subalterna/o falar?
João Arriscado Nunes, Ana Barradas, Catarina Isabel Martins, Raquel Lima
Moderação: Maria José Canelo

11h00-11h30: Pausa para café

11h30-13h30: Democracia, Terra e Desafios para o século XXI
Kamal Chenoy e Zene Tadesse
Moderação: Teresa Cunha

13h30-15h00: Pausa para almoço

15h-17h00: Colonialismo, não passará?
Silvia Maeso, Maria Paula Meneses, Pedro Pezarat Correia, Fernando Rosas
Moderação: Marta Araújo

17h00-17h30: Pausa para café

17h30-19h30: É tão difícil imaginar o fim do capitalismo como imaginar que o capitalismo não tenha fim?
Patrícia Vieira, Manuel Carvalho da Silva, Francisco Louçã, Sandra Monteiro
Moderação: José Manuel Mendes

Rrevolução!
Instalação vídeo a partir das exposições «Rrevolução» do Colégio das Artes da UC – António Olaio
Local: Sala Keynes

 

_________________________

IMAGEM: Litografia «Beat the Whites with the red wedge!» de El Lissitzky (1920)

 

Novembro 24 2017

Detalhes

Início: Novembro 24 às 9:00 am
Fim: Novembro 25
Categorias do Evento:
Website: Visitar Site do Evento

Local

Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

Av. Dias da Silva, 165
Coimbra, Coimbra 3004-512 Portugal

+ Mapa do Google

Phone:

239790500

Visitar Website do Local

Organizador

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Phone: 239855570
Website: Visitar site do Organizador